autoconhecimento

Se você já empreende ou ainda pensa em empreender, conhecer a si mesmo será um grande diferencial para que sua ideia de negócio seja inovadora, mesmo em um nicho que já parece dominado. Autoconhecimento é mais do que saber qual é seu perfil no DISC ou no Eneagrama. É uma construção constante, uma avaliação pessoal e coletiva de tempos em tempos, uma autorreflexão e um processo de aprendizado.

Diante de mudanças no cenário econômico, empreender se tornou uma opção para muitos que desejam a autonomia e a segurança de ter os resultados de seu empenho em suas mãos. Ter um negócio próprio é um desafio que nasce no exato momento que sua ideia surge e que você se lança ao mundo querendo que essa ideia se concretize, se torne uma empresa ou organização, um produto ou serviço e que esses frutos sejam a sua obra.

A filosofia do seu negócio.

Em grandes empresas é comum um investimento em definições de missão, visão e valores. Sendo desatualizado ou não, real ou utópico, para um empreendimento começando ou com anos de atividade, o entendimento do mundo e da realidade é muitas vezes o próprio entendimento de quem o fundou.

Construir os elementos de uma filosofia de vida, explorar em seu conhecimento de si o que você valoriza, vai impactar significativamente nesse mesmo entendimento da sua empresa. O que você entende por conceitos abstratos e universais como beleza, troca, resultado, sucesso, aventura e sorte (entre outros) será o que vai intuitivamente direcionar os caminhos para o crescimento e a consolidação do seu negócio. O seu mundo é colaborativo como Amanda Palmer conta no TED talk dela? Ou é diferente? Como é?

As suas crenças mudam ao longo da vida e isso também mudará como seu negócio irá se desenvolver. Com 20 anos, pode ser que você esteja saindo da faculdade, ou que já tenho um filho para criar, e com 30 talvez você nem cogita mais uma pós-graduação. Se você foi gerente aos 40 em uma estrutura super hierarquizada de comando-e-controle, talvez aposentado aos 60 vibre com as possibilidades em rede como o Airbnb e o Uber.

Suas crenças, sua filosofia, seus valores serão a base para o norte intangível do seu empreendimento. Lá estarão objetivos que muitas vezes não são ditos, não são colocados no papel e mesmo não explícitos são uma influência direta em como seu negócio vai se desenvolver e onde irá chegar.

Colocando a ideia na prática.

Sempre acontece em alguns posicionamentos sobre negócios com significado pessoal que temos que amar o que fazemos. Ora! Isso só faz sentido quando você conhece o que gosta de fazer. Parece meio óbvio, mas esse é um elemento muito prático do autoconhecimento e que tem tudo a ver com seu negócio.

Se você é o grande produto da sua empresa, quanto mais você faz, mais você aprende e há o número mágico das 10.000 horas para tornar-se mestre no que faz. Isso são quase 5 anos de dedicação diária a alguma atividade! Só imagine ficar preso a algo que você não curte fazer por esse tempo todo. Terrível? E todo negócio, todo empreendimento, tem suas atividades que amamos e outras que detestamos.

Autoconhecimento aqui permitirá uma série de decisões que afetarão diretamente o que você entrega (produto ou serviço) como negócio. Serão as escolhas na gestão do empreendimento, no marketing e na comunicação, nas parceiras e nos fornecedores. São as entregas e atividades que você faz e as que você deixa na mão de outra pessoa para ser feito. Aqui é a ligação direta com o que você gosta de aprender e de desenvolver em si mesmo, são as competências que você (e seus colaboradores) tem.

Autoconhecimento é o caminho!

Um negócio sólido se fortalece quando tanto sua filosofia, quanto sua capacidade prática estão claras e recorrentes. Você que empreende e coloca esforço em se conhecer mais vai ter ganhos diretos em tornar suas expectativas claras ao entender mais da sua filosofia de vida. Por outro lado, tendo clareza de onde quer se desenvolver na prática vai te encaminhar a parcerias mais assertivas e a aprendizados mais impactantes.

Investir no seu autoconhecimento não precisa ser um retiro de 2 meses na Índia, começa com uma pergunta e uma sincera intenção no ouvir. Pode ser um diário ou uma ferramenta como o DISC e Eneagrama, basta ser honesto consigo e claro na sua filosofia e na sua prática para dar retornos tangíveis nas suas ideias e nos seus negócios.

Autoconhecimento expande, se joga nele e é certo: vai ter crescimento!

Share
Go Top